Texto: Êxodo 32:1-7
1    Mas vendo o povo que Moisés tardava em descer do monte, acercou-se de Arão, e disse-lhe: Levanta-te, faze-nos deuses, que vão adiante de nós; porque quanto a este Moisés, o homem que nos tirou da terra do Egito, não sabemos o que lhe sucedeu.
2    E Arão lhes disse: Arrancai os pendentes de ouro, que estão nas orelhas de vossas mulheres, e de vossos filhos, e de vossas filhas, e trazei-mos.
3    Então todo o povo arrancou os pendentes de ouro, que estavam nas suas orelhas, e os trouxeram a Arão.
4    E ele os tomou das suas mãos, e trabalhou o ouro com um buril, e fez dele um bezerro de fundição. Então disseram: Este é teu deus, ó Israel, que te tirou da terra do Egito.
5    E Arão, vendo isto, edificou um altar diante dele; e apregoou Arão, e disse: Amanhã será festa ao SENHOR.
6    E no dia seguinte madrugaram, e ofereceram holocaustos, e trouxeram ofertas pacíficas; e o povo assentou-se a comer e a beber; depois levantou-se a folgar.
7    Então disse o Senhor a Moisés: Vai, desce; porque o teu povo, que fizeste subir do Egito, se tem corrompido.

INTRODUÇÃO:
1-    O povo de Israel acabara de ser liberto da escravidão do Egito.
2-    Lá haviam se acostumado a participar das constantes festas pagãs egípcias.
3-    Embora tivessem visto a mão de Deus livrando-os das mãos dos egípcios, ainda não tinham quebrantado os seus corações.
4-    Enxergavam Moisés como o seu libertador do período de escravidão, e não Deus.
5-    Enquanto Moisés estava no Monte Sinai recebendo as tábuas da Lei diretamente de Deus, o povo se corrompia aos pés do monte santo.
6-    Com a ajuda de Arão, o próprio irmão de Moisés, fizeram um bezerro de ouro para adoração.
7-    A este deus dedicaram toda sua gratidão pela liberdade que agora possuíam.
8-    E agora, faziam uma grande festa no arraial israelense, em meio ao deserto.
9-    Com comidas, bebidas e muita festa.
10-    No verso 5, pretendiam que Deus aceitasse aquela festa.
11-    Logo seriam duramente repreendidos por Deus, através do homem Moisés.
12-    Naquele dia, Deus mandou que fossem mortos uns três mil homens (vs. 28).
13-    Deus não considerou aquela festinha uma brincadeira.
14-    Era idolatria e uma traição a Deus.
15-    No Brasil, nos meses de junho e julho, são comuns as chamadas Festas Juninas.
16-    Deveria um cristão participar delas?
17-    Vejamos algumas razões pelas quais um cristão não deveria participar das festas juninas:

I - POR CAUSA DO ASPECTO RELIGIOSO.

A-    Não se trata de um inocente Folclore nacional.
1-    A palavra Folclore vem de duas palavras inglesas.
2-    Folk significa gente, povo.
3-    E lore sabedoria popular ou tradição.
4-    Assim, folclore é o conjunto de tradições, lendas e crenças de um povo, expressas em canções, provérbios e contos.
5-    O seu objetivo é divulgar as tradições dos antepassados.
6-    Observe que, em seu significado inclui também as "crenças de um povo".
7-    Não é somente uma brincadeira de um povo.
8-    Há outros propósitos nestas festas.
9-    Do lado sócio-econômico, as festas juninas humilham o homem do campo, tratando-o como um coitado.
10-    Diante do tamanho do êxodo rural das últimas décadas, as festas juninas têm andado na contra-mão dos interesses econômicos de nosso país.
11-    Ao caracterizar o trabalhador rural com roupas remendadas, dentes estragados, linguajar inapropriado, quem gostaria de se tornar um deles?
12-    O caipira, quando não é banguela, é desdentado, seu andar é torto, corcunda por causa da enxada, botina furada, roupas rasgadas e remendadas, numa alusão ao espantalho.
13-    Hoje, valoriza-se o Doutor dos estudos, a vida urbana.
14-    As crianças querem ser médicas, professoras, atrizes, jogadores de futebol.
15-    Qual criança diria: Quando eu crescer eu quero ser um caipira da roça?
16-    Assim, as festas juninas não trazem uma inocente conotação folclórica que contribua para o desenvolvimento de nosso país.
17-    É uma mensagem de interesse político.
18-    Desvalorizando o pequeno produtor rural, dando espaço aos grandes latifundiários, que monopolizam os recursos naturais do país.
Provérbios 17:5
"O que escarnece do pobre insulta ao seu Criador..."


B-    É uma festa idólatra.
1-    As festas juninas foram incentivadas pela Igreja Católica para que os seus santos pudessem ser lembrados.
2-    Veja a ridícula explicação dada pelos Católicos:
"Nossa Senhora e Santa Izabel eram muito amigas. Por esse motivo, costumavam visitar-se com freqüência, afinal de contas amigos de verdade costumam conversar bastante. Um dia, Santa Izabel foi à casa de Nossa Senhora para contar uma novidade: estava esperando um bebê ao qual daria o nome de João Batista. Ela estava muito feliz por isso! Mas naquele tempo, sem muitas opções de comunicação, Nossa Senhora queria saber de que forma seria informada sobre o nascimento do pequeno João Batista. Não havia correio, telefone, muito menos internet. Assim, Santa Izabel combinou que acenderia uma fogueira bem grande que pudesse ser vista à distância. Combinou com Nossa Senhora que mandaria erguer um grande mastro com uma boneca sobre ele. O tempo passou e, do jeitinho que combinaram, Santa Izabel fez. Lá de longe Nossa Senhora avistou o sinal de fumaça, logo depois viu a fogueira. Ela sorriu e compreendeu a mensagem. Foi visitar a amiga e a encontrou com um belo bebê nos braços, era dia 24 de junho. Começou, então, a ser festejado São João com mastro, fogueira e outras coisas bonitas, como foguetes, danças e muito mais!" (Revista Defesa da Fé, Ano 7, nº 45, junho de 2002)
3-    Como se sabe, estas festas fazem referência a Santo Antonio (13 de junho), São João (24 de junho) e a São Pedro (29 de junho).
4-    Nestas festas, ocorrem rezas, canções, missas e alegorias.
5-    Os balões que sobem representam os pedidos que também terão sucesso diante dos santos.
6-    As comidas e doces são oferecidos a estes santos.
7-    Embora saibamos que estes santos não comam, mas este ritual é muito parecido aos despachos espíritas.
8-    A aparência é inocente, mas há uma profunda insatisfação divina em seu envolvimento.
I Coríntios 10:14, 20-22, 28
14 Portanto, meus amados, fugi da idolatria.
20 Antes digo que as coisas que os gentios sacrificam, as sacrificam aos demônios, e não a Deus. E não quero que sejais participantes com os demônios.
21 Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios.
22 Ou irritaremos o Senhor? Somos nós mais fortes do que ele?
28 Mas, se alguém vos disser: Isto foi sacrificado aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; porque a terra é do Senhor, e toda a sua plenitude.

9-    Alguns diriam: "Ah, Pastor, mas isto é exagero! É só uma brincadeira popular, onde comemos paçoquinha, amendoim, pipoca, milho-verde e cachorro-quente".
10-    Não há problema espiritual em comer tais guloseimas.
11-    O problema é comê-las num ritual de oferendas aos Santos Católicos.
12-    Isto é idolatria e ofende ao Senhor.

II - POR CAUSA DA CONSCIÊNCIA.

A-     Os santos não têm poder algum.
1-    Sabemos que não há outros intermediários entre Deus e os homens.
I Timóteo 2:5
"Porque há um só Deus, e um só Mediador entre Deus e os homens, Jesus Cristo homem".

2-    A idéia de que haja santos agindo em nosso favor diante de Deus é uma grande mentira patrocinada pelo Catolicismo.
3-    Deus jamais aceitou este conceito.
Êxodo 20:3-5
3 Não terás outros deuses diante de mim.
4 Não farás para ti imagem de escultura, nem alguma semelhança do que há em cima nos céus, nem em baixo na terra, nem nas águas debaixo da terra.
5 Não te encurvarás a elas nem as servirás; porque eu, o Senhor teu Deus, sou zeloso, que visito a iniqüidade dos pais nos filhos, até a terceira e quarta geração daqueles que me odeiam.
4-    As festas juninas enaltecem pessoas como que tendo poderes especiais e como dignos de adoração.
5-    No entanto, vemos claramente pela Bíblia que os verdadeiros seguidores de Jesus jamais aceitaram receber adoração.
Atos 14:11-15
11 E as multidões, vendo o que Paulo fizera, levantaram a sua voz, dizendo em língua licaônica: Fizeram-se os deuses semelhantes aos homens, e desceram até nós.
12 E chamavam Júpiter a Barnabé, e Mercúrio a Paulo; porque este era o que falava.
13 E o sacerdote de Júpiter, cujo templo estava em frente da cidade, trazendo para a entrada da porta touros e grinaldas, queria com a multidão sacrificar-lhes.
14 Ouvindo, porém, isto os apóstolos Barnabé e Paulo, rasgaram as suas vestes, e saltaram para o meio da multidão, clamando,
15 E dizendo: Senhores, por que fazeis essas coisas? Nós também somos homens como vós, sujeitos às mesmas paixões, e vos anunciamos que vos convertais dessas vaidades ao Deus vivo, que fez o céu, e a terra, o mar, e tudo quanto há neles;
6-    Paulo e Barnabé ficaram revoltados pela tentativa de adoração a eles.
7-    Pedro também não aceitou ser adorado.
Atos 10:25-26
25    E aconteceu que, entrando Pedro, saiu Cornélio a recebê-lo, e, prostrando-se a seus pés o adorou.
26    Mas Pedro o levantou, dizendo: Levanta-te, que eu também sou homem.
8-    Nem anjos aceitaram adoração.
9-    A idolatria não se contenta somente em adorar outros deuses, mas também em dar-lhes forma física.
10-  Assim, surgem os retratos nas paredes e nos vitrais, as medalhinhas, os crucifixos, as bandeiras, faixas e os pequenos ídolos em gesso ou madeira.
Salmo 115:4-8
4    Os ídolos deles são prata e ouro, obra das mãos dos homens.
5    Têm boca, mas não falam; olhos têm, mas não vêem.
6    Têm ouvidos, mas não ouvem; narizes têm, mas não cheiram.
7    Têm mãos, mas não apalpam; pés têm, mas não andam; nem som algum sai da sua garganta.
8    A eles se tornem semelhantes os que os fazem, assim como todos os que neles confiam.

B-     Os perdidos serão confundidos com o nosso testemunho.
1-    Alguém poderia dizer que, já que os santos nada são, então nada de mal poderia haver em estar em uma festa assim.
2-    No entanto, como vimos Paulo ensinando em I Coríntios, por detrás dos santos estão demônios.
3-    Quando se adora ou se festeja um santo, na verdade está se adorando e festejando aos demônios.
4-    E isto não é brincadeira.
5-    Além do mais, é preciso zelar pelo nosso testemunho.
6-    Comer, conscientemente, algo sacrificado ou parte de uma festa idólatra significa participar da mesa dos demônios.
7-    E isto irrita profundamente a Deus.
8-    E há o testemunho diante dos que ainda estão perdidos sem Cristo.
9-    Ao participar de uma festa junina, estaremos criando confusões na mente daqueles que ainda não entenderam a pregação contra os ídolos.
I Coríntios 10:28-33
28 Mas, se alguém vos disser: Isto foi sacrificado aos ídolos, não comais, por causa daquele que vos advertiu e por causa da consciência; porque a terra é do Senhor, e toda a sua plenitude.
29 Digo, porém, a consciência, não a tua, mas a do outro. Pois por que há de a minha liberdade ser julgada pela consciência de outrem?
30 E, se eu com graça participo, por que sou blasfemado naquilo por que dou graças?
31 Portanto, quer comais quer bebais, ou façais outra qualquer coisa, fazei tudo para glória de Deus.
32 Portai-vos de modo que não deis escândalo nem aos judeus, nem aos gregos, nem à igreja de Deus.
33 Como também eu em tudo agrado a todos, não buscando o meu próprio proveito, mas o de muitos, para que assim se possam salvar.

CONCLUSÃO:
1-    Na festa "junina" de Israel, Deus mandou o seu servo Moisés exortar o povo que havia se corrompido.
2-    E ainda determinou que os israelitas idólatras fossem mortos pela traição.
3-    Talvez por causa da demora da sentença divina em nossos dias, alguns têm a tendência de acreditar que Deus deixou de ser duro quanto a isto.
4-    Mas o mesmo Deus de ontem é o de hoje e o será no futuro.
5-    E de Deus não se zomba.
6-    Portanto, não participe das festas juninas.
7-    Não são inocentes festas populares, mas são festas idólatras que Deus não tolera.
8-    Diante de convites para participar, aproveite para dar o seu testemunho, demonstrando a vontade de Deus em sua vida.
9-    "Não, obrigado! Mas não quero ofender ao meu Deus, traindo-O".
10-    E nas escolas? Como reagir em relação aos filhos?
11-    A Constituição Brasileira defende a liberdade religiosa.

Art. 5º
VI - é inviolável a liberdade de consciência e de crença, sendo assegurado o livre exercício dos cultos religiosos e garantida, na forma da lei, a proteção aos locais de culto e a suas liturgias;
VIII - ninguém será privado de direitos por motivo de crença religiosa ou de convicção filosófica ou política, salvo se as invocar para    eximir-se de obrigação legal a todos imposta e recusar-se a cumprir prestação alternativa, fixada em lei;

12-    Portanto, se necessário, os pais devem procurar a escola e negociar atividades alternativas para seus filhos, sem constrangimentos.
13-    Lamentavelmente, vivemos a geração "dos amigos dos deleites" do que dos "amigos de Deus". II Timóteo 3:4
14-    Decida hoje ser amigo de Deus e sirva-O de todo coração.

Tags: Festividades